quinta-feira, 29 de abril de 2010

Na vontade e organização, Bayern de Munique e Inter de Milão são finalistas da Liga dos Campeões

Bayern de Munique

O primeiro finalista da Champions League saiu do confronto entre Lyon e Bayern de Munique. Quem pensou que sem Ribéry, expulso no primeiro confronto, as coisas ficariam mais difíceis para o time bávaro, se enganou. Sem o francês da equipe alemã, Olić roubou a cena anotando todos os três gols da goleada, obtida fora de casa.

A vitória por sonoros 3 a 0 em pleno Stade De Gerland e o passaporte para a finalíssima, carimbam a excelente Champions League feita pelo time alemão, que subiu muito de produção nas fases decisivas. Na disputa dos mata a mata, o Bayern só foi derrotado uma vez e ainda em casa, diante da Fiorentina pelas oitavas de final. Contra o Mancheter United, duas vitórias (2 a 1, 2 a 3) e já sobre os franceses, o saldo também é de dois jogos ganhos, por 1 a 0 e 3 a 0.

Saldo mais que positivo de uma equipe que soube agregar o talento de seus jogadores com a força do futebol alemão. Elementos que deram ao Bayern a chance de disputar mais uma final da Champions League, o que não acontecia desde temporada 2000/2001, quando venceu o Valencia e conquistou a taça.

Internazionale

Nesta Champions League, a Inter de Milão alternou altos e baixos. Foi segunda colocada no seu grupo, venceu o Chelsea nos dois confrontos (2 a 1 e 0 a 1), e obteve duas vitórias magras sobre o CSKA ( 1 a 0 e 0 a 1). Mas foi mesmo nas semifinais que a equipe italiana comandada por José Mourinho mostrou a sua força.

Dois jogos épicos, com uma aula de aplicação tática. Não questiono aqui, a beleza do jogo da Inter de Milão, que foi longe de ser envolvente, mas sim a funcionalidade de um esquema minuciosamente estudado para bloquear a equipe mais envolvente do mundo.

Classificação conquistada à base da estratégia de Mourinho e no comprometimento de seus comandados, coisa que parece ter sido cada vez mais esquecida no futebol atual. Comprometimento este, que fez de Eto’o ser lateral, Lúcio se desdobrando em campo para marcar o poderoso ataque espanhol, Júlio Cesar mostrar porque é um dos maiores goleiros no mundo, Cambiasso ser um escudo quase intransponível na defesa, entre vários outros fatores que levaram a bicampeã da Champions League Inter de Milão chegar a sua quinta decisão, de um dos torneios mais disputados e emocionantes do mundo.

Abraços a todos, Jessica Corais

4 comentários:

Cleber Soares 29 de abril de 2010 23:01  

E ai Jéssica tudo blz.
Eu já falei minha opinião em varios blogs: vai dar Bayer esse ano.
O time vem jogando bem e com aquela sorte de campeão. Fico triste pelos brasucas da Inter, mas ainda assim aposto no Bayer.
Um abraço minha linda.

Anderson Santos 30 de abril de 2010 14:27  

Minha dúvida quando definiram as semifinais era como o Mourinho iria parar o ataque azul-grená. E o fez muito bem. O time numa aplicação tática, como vc definiu, incrível.

Minha torcida vai para a Inter, claro, mas o Bayern chega com uma força e uma maior cancha uma Liga.

Claudio Henrique 1 de maio de 2010 11:18  

A Inter mostrou como se defende contra um time extremamente ofensivo como o Barcelona. O Mourinho deu uma aula de organização defensiva. Já no outro jogo, o Bayern não tomou conhecimento do Lyon. Os dois mereceram chegar na final, mas acho que a inteligência do Mourinho vai superar a vontade de vencer do Bayern.

Abraços

Stebozza 3 de maio de 2010 18:02  

A aplicação tática destas equipes impressiona e justifica a rpesença de ambas na final. Vai ser um jogaço de bola.

  © Blogger template 'Solitude' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP